sábado, março 17, 2007

Servidores


Um enorme cepo de oliveira ardia lentamente ao canto da lareira. Entretanto dava o seu passado.
«No princípio era uma oliveira como as outras. Além de dar azeitona, os pássaros abrigavam-se nos meus ramos. Passaram anos e comecei a sentir dificuldades: a seiva já não atingia os ramos altos, que começaram a secar. Tornei-me numa velha oliveira que já não dava azeitona. Sequei pouco a pouco e tornei-me num velho cepo. Vieram os lenhadores arrancaram-me e vim parar a esta lareira. Pegaram-me fogo e eu dou-lhes o calor que necessitam. À minha volta, neta noite fria, os homens e as crianças dormitam.»
E o ultimo pensamento do cepo foi este: «Nasci para servir os outros. Fiz o melhor que pude no desempenho da missão que me coube. Por isso moro tranquilo e feliz. No punhado de cinza a que me reduzo fica a alegria de me ter dado completamente aos outros até ao fim.»

2 comentários:

elsa nyny disse...

Olá Jacinta!!!

a história é linda, é sempre bom recorda-la!!!

Muita força para ti!

Bj

Maria João disse...

Daí que seja importante fazermos a Vontade de DEus. Se O seguirmos, Ele guia-nos até ao lugar onde devemos estar, onde o Pai precisa de nós.

beijos Cristo