sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Pensamento

Com o dinheiro podemos
comprar muitas coisas,
mas não o essencial para nós.
Proporciona-nos comida,
mas não apetite;
remédios,
mas não a saude;
dias alegres,
mas não a felicidade
(Henrik Ibsen)

4 comentários:

ruiac.aj@sapo.pt disse...

CONTRIBUTO PARA UMA REFLEXÃO MAIS PROFUNDA SOBRE O ABORTO

Quando apenas 25% dos eleitores inscritos dizem SIM ao aborto livre, tendo em conta um "drama" muito propalado, essa percentagem é pequena e paradoxal. E se há pessoas tão bem documentadas sobre o "aborto clandestino", seria mais fácil acabar já com ele! Aliás, além dos significativos 57% de eleitores que se abstiveram, uma parte dos que votaram SIM teriam tomado outra opção se a pergunta não iludisse e conhecessem bem a lei já existente…
Uma vez que o NÃO, em 1998, venceu sem carácter vinculativo e, por isso mesmo, suscitou um segundo Referendo, a própria Constituição muda só porque o SIM ganhou com uns virtuais 59%? É que, pela mesma lógica, se ninguém mais tivesse votado, o SIM atingiria até os 100%...
Como católico, o Presidente da República deveria ter chumbado imediatamente a proposta do Referendo. Agora, perante um resultado que não é vinculativo, cabe-lhe fazer cumprir a Constituição. Vai reincidir na omissão?... Diante dos seres inocentes que são recambiados directamente da barriga da mãe para o Criador, os magistrados e legisladores serão julgados severamente por Deus....
Relativamente à posição da Igreja perante o absurdo de referendar a própria Vida, mais coerente teria sido a hierarquia aconselhar os católicos a não participarem num plebiscito repugnante. Ao invés do que, dolorosamente, aconteceu, ela saía da contenda com a imagem reforçada e o aborto livre ficava irremediavelmente bloqueado. Já toda a gente sabia que o voto da juventude (imatura e amante dos prazeres) ia colocar a votação do SIM muito acima dos valores registados em 1998. Se, com a crise social a agudizar-se, os políticos referendarem uma injecção letal para os mais idosos, iremos participar uma vez mais nas "brincadeiras" de Satanás, que se diverte também com os índices da estupidez humana? Bastará argumentar com a "dignidade e solidariedade do acto", tendo em conta "os interesses legítimos dos mais novos"... E muitos católicos, absorvidos com as justificações de índole humana ou científica, esquecer-se-iam novamente de dizer aquilo que o Mestre manda: para além de um corpo, cada pessoa é uma alma; Deus reside na criatura humana; sob o domínio do Diabo fica quem atenta contra a Vida. Por isso é que o apoio a prestar às mulheres que já abortaram não poderá dispensar igualmente o auxílio da pessoa com carisma espiritual e mesmo o exorcista habilitado. É uma responsabilidade enorme!...
Entretanto, as vozes discordantes no seio da Igreja, que minam os fundamentos e desorientam, ainda mais, leigos tíbios e doutrinariamente amnésicos, requer medidas urgentes e eficazes. De outro modo, a curto prazo concretizar-se-á mesmo o assalto à Instituição e um dos objectivos do racionalismo cego e medíocre: "renovar" a Igreja com o próprio espírito laico. Ou seja, a apostasia generalizada e ao serviço da Besta. Para já assistimos à cínica fase da "intimidação": sempre que a Igreja fala, para fazer prevalecer a Verdade e a Justiça, ela "está a intrometer-se" na área política. É como insinuar que, paralelamente à A.R., a Igreja anda a promulgar diplomas!...
E clara, sem vírgulas nem pausas ou pleonasmos –- como esse do "legalmente autorizado" --, eis a pergunta que deveria ter sido feita aos portugueses no Referendo:

"CONCORDA COM O ABORTO LIVRE REALIZADO NAS PRIMEIRAS 10 SEMANAS EM ESTABELECIMENTO AUTORIZADO E POR OPÇÃO DA MULHER?"



Grato pela atenção dispensada, peço desculpa por algum incómodo.

Rui A C (aluno de Jesus)

Rute Cerqueira disse...

o essencial é Deus!!!

Maria João disse...

Dizemos muitas vezes que temos apenas um Deus. Mas, será que é assim na prática? Não nos podemos esquecer que o dinheiro, um vício, também podem ser um deus. E como? Se lhe dermos mais importância do que a Deus.

Neste tempo quaresmal seria bom pensarmos nos falsos deuses que temos na nossa vida...

caminante disse...

Vives muy cerca de la Luz y te llamas Jacinta. Bonita coincidencia. Y quieres difundir la Buena nueva. No se puede pedir más.
Un fortísimo abrazo.