terça-feira, janeiro 30, 2007

Dar as mãos é seguir o exemplo de Jesus


“Dar as mãos”. Este foi o tema do último encontro do Fé e Missão que se reuniu, entre 26 e 28 de Janeiro, em Santarém, Coimbra e Famalicão.
Em Santarém estiveram presentes 14 elementos do grupo, dos quais 5 novos. A Maria João, a Sara e o David de Odivelas, o Flávio de Leiria, e a Ana Isabel da Póvoa.

"Ausentes" estiveram a Rute e a Jacinta por motivo de estudos e o Nelson por se encontrar em Itália. Obrigado aos três pelas mensagens que enviaram.
Na noite de sexta-feira, como é habitual, vimos um filme. Desta vez vimos “Molokai: a vida do Padre Damião”. Afinal, no dia 28 era o Dia Mundial dos Leprosos e se houve alguém que se entregou de corpo e alma a esta causa foi o padre Damião. Na altura, os leprosos eram postos à margem da sociedade. Molokai era uma ilha que recebia doentes de lepra em estado avançado. Para lá iam e lá ficavam até morrerem, sem o mínimo de condições. O padre Damião voluntariou-se e foi em missão para aquela ilha. Sabia que poderia morrer de lepra, mas não quis saber. Entregou a sua missão nas mãos de Deus e fez um trabalho magnífico. Tal como Jesus, abraçou os leprosos, comia com eles, falava-lhes de Deus e estava com eles até à sua morte. Acabou por falecer também por causa desta doença, mas até ao fim nunca deixou de lutar contra a lepra. No final, estava satisfeito. Por ter conseguido melhorar as condições de tratamento dos leprosos e por partir para junto do Pai.




No sábado tivemos a reflexão sobre o que é dar as mãos nesta sociedade. Será que nos entregamos mesmo ao amor, tal como Jesus nos pede? Com base na parábola do Bom Samaritano (Lc10, 25-37), pensámos na importância de ser missionário e de praticar o amor no nosso dia-a-dia, principalmente com aqueles que mais precisam. Pensámos também como é necessário espalharmos esta Boa Nova do Amor que Deus nos deu e o que é que temos de transformar em nós próprios para conseguirmos entregarmo-nos ao amor e dar as mãos.




Um dos pontos altos do encontro foi a acção missionária na rua. Andámos pelas ruas a fazer o peditório para a causa da lepra. Encontrámos de tudo um pouco. Pessoas que ajudaram, pessoas que queriam ajudar, mas não podiam no momento, pessoas que passavam indiferentes… É esta indiferença, ou seja, esta falta de amor e de dar as mãos que queremos combater. Por isso, demos as mãos a quem mais precisa!

Maria João (FM sul)





1 comentário:

Madalena disse...

Eu sinto a casa de Santarém como um lugar Sagrado. Assim que a avisto, ao longe, o meu coração transborda!

Naquele espaço tudo é sereno e pacífico! A comunidade é TÃO acolhedora! Creio que nos sentimos em Família!

Gostava de vos falar dos momentos em que partilhamos deliciosas refeições, preparadas pelas queridas D. Joaquina e D. Fernanda. O tempo voa e nós dialogamos sobre mil temas que nos ajudam a ir, sem dúvida, Mais Além.

Outro Encontro que a Maria João tão bem descreveu. Realço esta oportunidade de pararmos e recordarmos os que mais sofrem por doença! A possibilidade de nos transcendermos, fazendo o que nos custa, por amor aos outros! A Deus tudo é possível!

Creio que juntos temos sempre a possibilidade de aprendermos tanto. Assim acontece comigo.

Mil beijos para todos,
Madalena - FM-Sul.